Please login first
Michelle Reboita   Dr.  Other 
Timeline See timeline
Michelle Reboita published an article in June 2018.
Top co-authors See all
Marta Pereira

45 shared publications

Departamento de Física; Universidade Estadual Paulista; Bauru Brazil

Leila M. V. Carvalho

38 shared publications

Department of Geography; University of California, Santa Barbara (UCSB); CA USA

Tércio Ambrizzi

22 shared publications

Department of Atmospheric Sciences Institute of Astronomy, Geophysics and Atmospheric Sciences, University of São Paulo, São Paulo, Brazil

Rosmeri Porfírio Da Rocha

15 shared publications

Universidade de São Paulo

Luiz Felipe Silva

12 shared publications

Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil

23
Publications
20
Reads
1
Download
38
Citations
Publication Record
Distribution of Articles published per year 
(2013 - 2018)
Publications See all
Article 0 Reads 0 Citations Previsão Climática Sazonal para o Brasil Obtida Através de Modelos Climáticos Globais e Regional Michelle Simões Reboita, Cássia Gabriele Dias, Lívia Márcia ... Published: 01 June 2018
Revista Brasileira de Meteorologia, doi: 10.1590/0102-7786332001
DOI See at publisher website
ABS Show/hide abstract
Resumo Este estudo avalia a destreza de dois modelos climáticos globais (CPTEC e CFSv2) e de um modelo climático regional (RegCM4) em prever o clima sazonal em diferentes regiões do Brasil. O RegCM4 foi dirigido tanto com as saídas do sistema CFSv2 quanto do modelo do CPTEC. Também foram utilizadas duas versões do RegCM: a 4.3 e a 4.5. O RegCM4.3 foi dirigido por seis membros do CFSv2, enquanto o RegCM4.5 foi dirigido por um membro do modelo global do CPTEC. Todas as previsões iniciaram cerca de dois meses antes do trimestre a ser previsto e ao todo foram realizadas 94 simulações com o modelo regional. De forma geral, o RegCM4 adiciona valor às previsões dos modelos climáticos globais, principalmente, quando é aninhado às saídas do modelo do CPTEC. Quando o RegCM4.5 é dirigido por esse modelo global e é utilizada a parametrização de convecção cumulus de Emanuel há uma boa performance do modelo regional na previsão da precipitação e temperatura do ar em quase todo o Brasil.
Article 4 Reads 1 Citation Extratropical cyclones over the southwestern South Atlantic Ocean: HadGEM2-ES and RegCM4 projections Michelle S. Reboita, Rosmeri P. Da Rocha, Marcelo R. De Souz... Published: 25 March 2018
International Journal of Climatology, doi: 10.1002/joc.5468
DOI See at publisher website
Article 4 Reads 0 Citations Normais Climatológicas Provisórias de 1991 a 2010 para Rio Grande, RS Michelle Simões Reboita, Nisia Kruche Published: 01 March 2018
Revista Brasileira de Meteorologia, doi: 10.1590/0102-7786331010
DOI See at publisher website
ABS Show/hide abstract
Resumo Em janeiro de 1989, a estação meteorológica convencional de Rio Grande, RS, pertencente ao Instituto Nacional de Meteorologia, mudou-se da área central da cidade para o campus da Universidade Federal do Rio Grande. Com os dados dessa estação, no início da década de 2000, foi publicado um livro com as Normais Climatológicas Provisórias (NCP) de Rio Grande, no período de 1991 a 2000, seguindo as normas da Organização Meteorológica Mundial (OMM). Passada mais de uma década dessa publicação, foi possível atualizar esse estudo considerando o período de 1991 a 2010. Portanto, apresenta-se um roteiro para controle de qualidade de dados de estações meteorológicas convencionais de superfície e as NCP de 1991 a 2010 de Rio Grande, bem como uma comparação entre as NCP das décadas 1991-2000 e 2001-2010. Como foi identificada não-homogeneidade nas séries temporais de umidade relativa e intensidade do vento, as NCP não foram computadas para essas variáveis. Rio Grande é uma cidade com pouca variabilidade mensal de precipitação, possui verão quente e inverno frio e, de acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger, o clima é temperado sempre úmido e com verão quente (Cfa) e, pela classificação de Strahler, é subtropical úmido.
Article 0 Reads 1 Citation Winds: intensity and power density simulated by RegCM4 over South America in present and future climate Michelle Simões Reboita, Tatiana Rocha Amaro, Marcelo Rodrig... Published: 18 September 2017
Climate Dynamics, doi: 10.1007/s00382-017-3913-5
DOI See at publisher website
Article 2 Reads 1 Citation Ciclones em Superfície nas Latitudes Austrais: Parte I - Revisão Bibliográfica Michelle Simões Reboita, Manoel Alonso Gan, Igor Stivanelli ... Published: 01 June 2017
Revista Brasileira de Meteorologia, doi: 10.1590/0102-77863220010
DOI See at publisher website
ABS Show/hide abstract
Resumo Com o objetivo de organizar o conhecimento sinótico sobre ciclones em superfície em latitudes austrais, este trabalho (o primeiro de um conjunto de dois) apresenta uma síntese das principais características de quatro tipos de ciclones: extratropical do tipo Bjerknes e Solberg, extratropical do tipo Shapiro e Keyser, tropical e subtropical. Ao longo do texto são apresentados modelos conceituais bem como os mecanismos de ciclogênese, intensificação e ciclólise de cada tipo de ciclone. As principais diferenças entre os quatros tipos de ciclones em superfície estão nas estruturas horizontais e verticais dos campos de temperatura e vorticidade relativa. Palavras-chave: ciclones extratropicais; ciclones subtropicais; ciclones tropicais; ciclo de vida; Hemisfério Sul
Article 6 Reads 0 Citations Características da Atmosfera na Primavera Austral Durante o El Niño de 2015/2016 Heloisa Ramos Pereira, Michelle Simões Reboita, Tércio Ambri... Published: 01 June 2017
Revista Brasileira de Meteorologia, doi: 10.1590/0102-77863220011
DOI See at publisher website
ABS Show/hide abstract
Resumo O El Niño (EN) é caracterizado pelo aquecimento anômalo das águas superficiais do oceano Pacífico Tropical central e leste que afeta o clima global e regional através das anomalias da circulação da atmosfera. O EN 2015/2016 foi classificado como um evento muito forte. Portanto, esse estudo tem como objetivo mostrar as características da atmosfera durante a ocorrência desse evento nos meses de setembro, outubro e novembro de 2015. Entre os resultados, têm-se o deslocamento para leste da célula de circulação zonal de Walker, intensificação dos jatos subtropical e polar, presença de anomalias positivas de altura geopotencial no oceano Pacífico próximas ao sul da América do Sul e anomalias negativas no sudeste desse continente e no oceano Atlântico. Além disso, há maior frequência de ciclones nas latitudes subtropicais do oceano Atlântico e convergência do fluxo de umidade integrado na vertical sobre o sudeste da América do Sul. Essas características contribuem para anomalias de precipitação e temperatura do ar na América do Sul. Palavras-chave: El Niño; correntes de jato; precipitação; Hemisfério Sul
Top